© 2019 Miúdos Feitos de Liberdade

Ser Mãe é ter o coração a bater fora do peito



Sou mãe há quase 24 anos. Fui mãe antes mesmo de o ser. Sou mãe de coração. Com o coração. É essa a única forma que conheço para desempenhar esta função.

Sou imperfeita. Cometo erros. Hoje menos do que ontem. Mais do que amanhã, espero eu. Grito quando não devia. Quando não queria. Quando estou cansada. Mesmo que isso vá contra tudo aquilo em que acredito. Trabalho todos os dias para ser melhor. Cada vez melhor. Gostava tanto de conseguir!

Deixo-os ir quando só queria era que eles ficassem. Dou-lhes liberdade, apesar de todo o medo que isso me faz sentir. Abraço quando só me apetece zangar. Zango-me quando só queria era abraçar. Vivo a vida deles tentando não deixar de viver a minha.

Conheço-os melhor do que a mim mesma. Passo noites sem dormir quando eles ficam doentes. Durmo inquieta quando a mais velha não está em casa. Mesmo quando crescem, as preocupações não acabam. Só mudam.

Como todas as mães, curo feridas com beijinhos. Corações partidos com abraços prolongados. Tenho ouvidos maiores do que a boca. E braços fortes para os proteger das tristezas.

Apesar de tudo, tento aceitar a minha imperfeição. Sei que faço sempre o melhor que sei. E que, quando falho, é porque naquele momento não sei ou não consigo fazer melhor.

Tento ser feliz. Todos os dias. Nem que seja só por um momento. Ai como eu gosto do abraço deles ao fim do dia. Do “adoro-te” antes de dormir. Do olhar cúmplice que é tão nosso.

Hoje, como todos os dias, só quero que sejam felizes. Que se respeitem e respeitem os outros. Que se apoiem mutuamente. Que saibam sempre reconhecer o valor que têm e que nunca se deixem convencer do contrário.

Sou uma super-mãe! Como todas as mães, pais, tios ou avós que conseguem viver com o coração a bater fora do peito. Isso sim, é o nosso verdadeiro super-poder.

Agradeço aos meus três filhos por me obrigarem a superar-me diariamente. Por me amarem e perdoarem os meus erros. Vocês são os maiores. | escrevi isto há um ano. mas podia muito bem ter escrito hoje. |